Religiões Africanas representadas no Dia Nacional do Ministério Público

Religiões Africanas representadas no Dia Nacional do Ministério Público

Foi realizado na manhã desta segunda-feira, 14 de dezembro, na sede do Ministério Público do Paraná, culto em ação de graças pelo Dia Nacional do Ministério Público. A cerimônia, que contou com a participação de membros, servidores e estagiários da Instituição, também antecipou as festividades de Natal. A celebração religiosa teve a participação do padre Domenico Costella, do reverendo Carlos Alberto Rodrigues Alves, do procurador de Justiça João Henrique Vilela da Silveira, que falou pela umbanda, e do representante do Fórum Paranaense das Religiões de Matrizes Africanas, pai de santo Marcos Boeing. Com mensagem voltada à tolerância e à comunhão entre todos, foi enaltecida a importância da fé, independentemente da religião abraçada, e do desejo de um mundo de paz, livre de preconceitos e fanatismos. O pianista Flávio Fernando de Souza fez o acompanhamento musical da cerimônia....
Umbanda mantém a tradição de cultuar Iemanjá no fim de ano

Umbanda mantém a tradição de cultuar Iemanjá no fim de ano

Como tradição, desde os anos 1960, adeptos da Umbanda comemoram no dia 9 de dezembro, data antes dedicada a Oxum, o dia de Iemanjá. Em meados da década de 1950, os primeiros umbandistas do Estado de São Paulo promoviam o “encontro das águas” em São Vicente com procissão das duas rainhas das águas. Com o passar dos anos, o aumento da população de São Vicente, também no litoral sul paulista, e à proximidade de uma área militar, os adeptos escolheram Praia Grande para manter a tradição de reunir as tendas para as comemorações. O que poucas pessoas sabem é que os médiuns organizados pelo Primado da Umbanda homenagearam o espírito Caboclo Mirim batizando o bairro como Vila Mirim. Nos anos 1970, Iemanjá já era a Orixá mais popular do Brasil com várias imagens e músicas dedicadas a Rainha do Mar. Os fiéis da Umbanda, religião tipicamente brasileira que tem preceitos do Kardecismo com a incorporação de entidades populares como Caboclo, Pretos Velhos, Marinheiros, Baianos, adoram os Orixás por sua “força da natureza”. Muitos jovens participam das cerimônias de Umbanda. A sacerdotisa Domitilde Pedro, 60, que está na religião há 35 anos, explica que em seu templo muitos jovens buscam carinho. “Recebemos visitas de judeus, evangélicos, católicos que vão para um conselho. Iemanjá é a mãe que representa esse amor” diz Mãe Domitilde. Segundo Pai Alexandre Cumino, 42 sacerdote e professor, autor de vários livros sobre a Umbanda, explica: “A umbanda é a religião essencialmente voltada para o bem, não fazemos nenhum mal para a sociedade, nosso princípio é a prática da caridade”. O líder religiosos que coordena um colégio...
A obra silenciosa dos espíritas

A obra silenciosa dos espíritas

Nos últimos meses, o bairro Bom Retiro, em Curitiba, deixou de ser visto apenas como uma área elegante da cidade e passou a ser tratado como “zona ameaçada” devido a obra silenciosa dos espíritas. Triplamente. Teme-se pelo crime de patrimônio, já que o hospital que deu nome à região, inaugurado em 1945, está em vias de ser demolido. Pelo crime ambiental, pois a legislação não protege a mata de 20 mil metros quadrados que ladeia a construção. E pelo atentado à memória: foi também naqueles altos da cidade que se desenvolveu a ação dos espíritas no estado, capítulo da história local que mal começou a ser escrito. A rua que passa ao lado, não à toa, se chama Allan Kardec. É curioso. Uma simples passada de olhos pelos nomes dos primeiros espíritas paranaenses seria o bastante para provocar comichões nos pesquisadores. Basta citar que entre eles estava Ildefonso Pereira Correia, o Barão do Serro Azul; e Lysímaco Ferreira da Costa, fundador da Universidade do Paraná. A lista passeia ainda por famílias como a Guimarães – do jornalista Acyr e do médico Alô, dois curitibanos ilustres do século 20. Sem falar na irresistível figura de Lins de Vasconcellos, o sertanejo que fez fortuna e a doou para a Federação Espírita do Paraná, fundada em 1902. Mesmo assim, conta-se nos dedos os estudos sobre esse grupo que influenciou das letras à economia paranaense. Basta lembrar que o Colégio Lins de Vasconcellos – sob os cuidados da federação de 1960 a 1998 – figurou entre os melhores do estado. “Uma das maiores lacunas seria responder como o espiritismo influenciou uma legião de...
UNESPAR por meio do Projeto PIBID organiza evento sobre religiosidades afro-brasileiras

UNESPAR por meio do Projeto PIBID organiza evento sobre religiosidades afro-brasileiras

Juntamente com a Semana de Consciência Negra, a universidade UNESPAR por meio do projeto do PIBID do colegiado de história: “História da África e da cultura afro-brasileira: para além das leis, rumo à cidadania”, juntamente com o projeto PIBID de filosofia: “Filosofia na escola” organizam de 25 a 27 de novembro de 2015 o evento “Com os pés descalços no terreiro dos Deuses: Religião e religiosidades afro-brasileiras”. O evento será realizado as 19h no auditório do Colégio Estadual Túlio de França em União da Vitória no Paraná e contará com apresentações de danças, oficinas de percussão, debates e palestras sobre a cultura e as religiões afro-brasileiras. Confira a agenda completa do evento abaixo: Dia 25/11 (Quarta-feira) 13:30 hrs – Fafiuv – Oficina de Percussão  – Marcos Prado Abertura 19:30 hrs  – Auditório do Colégio Túlio de França: Apresentação cultural de dança Africana Palestra do Prof. Dr. Ilton Cesar Martins Dia 26/11 (Quinta-feira) 13:30 hrs – Fafiuv Ofcinas: Dança Africana Roda de conversa dança e simbolismo Capoeira 19:30 hrs – Auditório Colégio Túlio de França Apresentação artística Kaoani Figueiredo e Elton Fernandes Erê Mesa redonda com representantes dos terreiros de umbanda de União da Vitória e Porto União  – Mediador Prof. Charles Santiago 27/11 (Sexta-feira) 13:30 hrs – Fafiuv Apresentação de trabalhos dos acadêmicos Coordenação das mesas: Prof. Kelly Viana, Prof. Fernando Schinimann, Prof. Charles Santiago, Prof. Jefferson Gohl 19:00 hrs – Auditório do Colégio Túlio de França Apresentação Capoeira Pibid Filosofia Apresentação cultural grupo Ekamba Palestra Babalorixá Marco Boeing Palestra Babalorixá Marcos Prado Mais informações: http://www.pibidunespar.com.br/index.php/campus/fafiuv Kelly Cristina Benjamim Viana Coordenadora do PIBIB de História Antônio Charles Santiago Almeida Coordenador do PIBID de...
Umbanda, a religião brasileira que chegou à Alemanha

Umbanda, a religião brasileira que chegou à Alemanha

O coração segue caminhos misteriosos e foi por um desses mistérios que a terapeuta alemã Gabriele Hilgers se casou com o Brasil. O casamento foi selado através da umbanda, a religião brasileira que ela conheceu há dez anos e pela qual se apaixonou de tal forma que a levou para a sua terra natal. Gabriele se tornou a primeira mãe no santo alemã, status das sacerdotisas desta prática religiosa, depois de ser coroada em 2006 por um pai no santo brasileiro. Dois anos depois inaugurou o primeiro terreiro de umbanda da Alemanha. A dança alegre, o som dos atabaques e a linguagem simples para aflorar o amor ao próximo “têm quebrado paradigmas dos alemães que frequentam esta casa”, comenta mãe Gabrielle. A religião brasileira, que acaba de completar 107 anos no último dia 15, nasceu sob influência dos negros trazidos da África para cá na época da escravidão. Ela trabalha a espiritualidade sob a inspiração de espíritos antigos e um panteão de orixás, as divindades cantadas em verso e prosa no Brasil. De Vinícius de Moraes (era adepto da religião), a Gilberto Gil, de Chico Buarque a Gal Costa, todos já renderam homenagem às figuras de Iemanjá, a rainha do mar, Oxum, que mora nas cachoeiras, ou pai Xangô, que vive na pedreira… Hoje os alemães também ‘batem cabeça’ – expressão usada para discriminar a saudação aos guias espirituais na umbanda – a todo o panteão de divindades desta religião, que lembra, em alguns aspectos, a mitologia grega. Dezenas de alemães vestidos de branco se reúnem semanalmente na Casa de Irradiações Espirituais de São Miguel, o centro de umbanda...
Iba Ojise e Tribah convidam para Oficina de Dança Afro e Percussão

Iba Ojise e Tribah convidam para Oficina de Dança Afro e Percussão

Dando sequência ao mês da conciência negra, os grupos Iba Ojise e Tribah Andréia Soares em parceria com a Fundação Cultural e Prefeitura de Curitiba convidam a todos para a Oficina de Dança Afro e Percussão que será realizada na Casa Hoffmann em Curitiba. Dia 17 e 18/11, das 19h às 21:30h Oficina de Dança Afro e Percussão Organização Iba Ojise e Tribah Andréia Soares Centro Cultural Casa Hoffmann – Largo da Ordem Rua Doutor Claudino dos Santos, 58 – São Francisco, Curitiba – PR, 80020-170, Brasil Entrada franca Para mais informações acesse:...