Nas cerimônias da Umbanda e do Candomblé, Iansã, ela surge quando incorporada a seus filhos, como autêntica guerreira e brandindo sua espada, e ao mesmo tempo feliz. Ela sabe amar, e gosta de mostrar seu amor e sua alegria contagiantes da mesma forma desmedida com que exterioriza sua cólera.

Iansã é a primeira divindade feminina a surgir nas cerimônias de cultos do Candomblé Deusa da espada do fogo.

Características

 

Cor amarelo ou vermelho
Fio de Contas  Vermelho ou amarelo
Ervas Cana do Brejo, Erva Prata, Espada de Iansã, Folha de Louro (não serve para banho), Erva de Santa Bárbara, Folha de Fogo, Colônia, Mitanlea, Folha da Canela, Peregum amarelo, Catinga

de Mulata, Parietária, Para Raio (Catinga de mulata, Cordão de frade, Gerânio cor-de-rosa ou vermelho, Açucena, Folhas de Rosa Branca)

Símbolo Raio
Pontos da Natureza Bambuzal
Flores Amarelas ou corais
Essências Patchouli
Pedras Coral, Cornalina, Rubi, Granada
Metal Cobre
Dia da Semana Quarta-feira
Elemento Fogo
Saudação Eparrei Oiá
Bebida Champanhe
Data Comemorativa 4 de dezembro
Sincretismo Sta. Bárbara, Joana d’arc.

Atribuições

Uma de suas atribuições é colher os seres fora-da-Lei e, com um de seus magnetismos, alterar todo o seu emocional, mental e consciência, para, só então, redirecioná-lo numa outra linha de evolução, que o aquietará e facilitará sua caminhada pela linha reta da evolução.