Neste primeiro centenário da “Apresentação oficial” da Umbanda ao plano material, constatamos que infelizmente nossa religião continua a margem da sociedade, não por ser uma religião marginal, mas sim por que os próprios umbandistas a negam. Assim como Pedro negou Jesus por três vezes , os umbandistas também negam sua religião em varias oportunidades, quase todos os dias. Não nos cabe julgar os que tomam esta atitude, mas sim tentar entender por que eles o fazem.

Será que isto não ocorre por causa da falta de esclarecimentos sobre sua religião que deveriam ser passados pelos dirigentes a estes irmãos, deixando-os assim sem argumentos para manter uma discussão quando questionados sobre sua religião?

Será que não é por causa da vergonha que estes irmãos sentem em relação ao que é mostrado na mídia sobre a Umbanda, que é demonizada dia após dia?

Será que não é por falta de união e respeito entre os próprios umbandistas, que muitas vezes não se colocam como irmãos de fé mas sim como “concorrentes comerciais”?

Seja qual for o motivo, a realidade é uma só: Somos todos culpados por isto.

Somos nós “Umbandistas” que não ensinamos aos mais novos, e não explicamos para nossa assistência o significados de determinados atos realizados durante os trabalhos, pois estas coisas são “segredos de umbanda”

Somos nós “Umbandistas” que sujamos esquinas, matas, rios, praias, etc. com restos de oferendas e coisas que não tem o menor fundamento como: garrafas, pratos, alguidares, vidros, ponteiras, restos de animais, etc.

Somos nós “Umbandistas” que colocamos anúncios em jornais prometendo “milagres” mediante algum tipo de pagamento.

Somos nós “Umbandistas” que não nos preocupamos com o que vamos fazer em nossas casas, se é para o bem ou para o mal, jogando toda a responsabilidade sobre as “entidades”.

Somos nós “Umbandistas” que sempre que se fala em união logo torcemos o nariz, e antes mesmo de ouvir as idéias já as classificamos como absurdas.

Sei que muitos vão se identificar com as situações descritas acima, alguns vão aceita-las e outros vão critica-las, mas este é meu pensamento.

Por que não tomamos a iniciativa de criar ações e eventos que mostrem para a sociedade o que é a verdadeira UMBANDA, e quem são os verdadeiros UMBANDISTAS?

Por que não colocamos nosso “branco” e mostramos a nossa cara?

Por que não vamos para a rua como UMBANDISTAS que somos?

Esta aberta à temporada de reflexão…